Cortado por todos os lados, Aberto por todos os cantos, nova criação do coreógrafo e artista contextual Gustavo Ciríaco, convida o público a uma jornada rapsódica pelo teatro como espaço cénico, sociológico e arquitectónico que se tangencia com o mundo nas suas imediações.

Pensado como uma peça site-specific, o espectáculo propõe uma tour pelo teatro enquanto escultura expandida e toma o campo de posicionamento do espectador, a encenação e a manipulação do real para imaginar um teatro em deambulação.

O espectáculo ocupa o teatro na sua multiplicidade, enquanto espaço que acolhe pessoas em diferentes plataformas de operação, deslocando-se pelo seu interior e exterior e provocando interacção com os diversos elementos que conferem teatralidade ao espaço cénico. Um teatro explodido, onde o público ativa e é ativado pela sua posição no espaço e ponto de vista, um teatro é re-esculpido com os elementos que o distinguem, desenham e tornam concreto.

Cortado por todos os lados, Aberto por todos os cantos guia-nos pela performatividade da arquitectura do teatro. Inaugura novas sociabilidades e propõe um atravessamento do mundo que resgata memórias e sensações do espaço, aproximando o teatro à rua, à cidade e ao mundo quotidiano que o recorta e circunda.