Ao longo do muro do porto de Ponta Delgada, o alfabeto marítimo internacional, constituído por bandeiras de sinalização, soletra as palavras “Georgiana Leonard”. Georgiana foi uma de poucas mulheres a ser desmascarada enquanto se fazia passar por um marinheiro (homem) num navio baleeiro que cruzava o Atlântico no século XIX. A totalidade das palavras será apenas visível para quem está na água e entende a língua franca marítima, mantendo a presença de Leonard como algo que passa parcial ou temporariamente despercebido. Como pintora, Navine Khan Dossos examina códigos sociais, linguísticos e algorítmicos, e a sua comunicação. Aqui explora como, ao longo da história, as mulheres adaptaram os seus corpos e padrões comportamentais para navegar espaços hiper-masculinos.


O Circuito de Arte Pública 2018, com curadoria de Dani Admiss, introduziu novos projetos de Camposaz, Daniel Rourke & Luiza Prado, Navine G. Khan Dossos, Nora Al-Badri + Nikolai Nelles, Sascha Pohflepp & Chris Woebken, Shift Register - Jamie Allen & Martin Howse.


/
Materiais - tinta
Dimensões - 30x1m